quinta-feira, agosto 26, 2004

Banalidade

Me pego novamente pensando em cicuta

ojeriza-me a vida

Lambo paredes
Rastejo em terra fofa

Sucumbo.

Não tenho medo de baratas
Nem tenho planos para o futuro

Disfarço minhas crenças,
Pego um atalho banal