quinta-feira, agosto 26, 2004

Questionamento

De que adianta gritar,
Se ninguem ouvirá?
De que adianta ler pensamentos,
Se ninguem lerá os meus?
Quem se importará quando souber
Que meus olhos sangram e
Que em minhas veias correm lágrimas?

Não adianta repetir,
Pois só serão novas palavras
A não serem ouvidas.

Aqui as paredes são de gelo,
O chão cospe fogo,
A cama é de espinhos.
Não há saida:
As portas e janelas estão lacradas.
Minhas pernas estão podres
Minhas mãos calejadas.

Não adianta repetir,
Pois só serão novas palavras
A não serem ouvidas.

(20/08/2004)

1 Comments:

Blogger Tania said...

Adorei as poesias!!
essa aqui principalmente, tudo a ver com o q eu to sentindo agora!
Bjossssssss

10:31 AM  

Postar um comentário

<< Home