sexta-feira, fevereiro 25, 2005

No papel branco
Brotam versos
Que falam de amores impossiveis
- Talvez possiveis.

Da ponta da caneta azul
Os versos esguicham
Borrando de amor todo o papel
Que já foi branco.